Acompanhe o Vinde e Vede 2010 ao vivo

Na categoria Eventos. Etiquetas: . Leave a Comment »

Casa Nova!

Santo Da Semana

Santa Maria Salomé
Nasceu em Betsaida, esposa de Zebedeu, era uma das santas mulheres, parente próxima de Nossa Senhora e mãe de São João Evangelista e São Tiago o Maior, citada duas vezes no Evangelho de São Marcos. Seu nome deriva da palavra Shalon que significa paz.

Uma delas é em Mt 27,56, em que estava junto a Cruz com Nossa Senhora e no dia da Páscoa da ressurreição vai junto a outras mulheres levar o precioso ungüento ao sepulcro, conforme o costume. Foi também ela, que em Mt. 20, 20ss, pede a Nosso Senhor, em seu imenso amor de mãe, que seus dois filhos se sentassem, um à direita e outro à esquerda de nosso Rei. Suas relíquias foram descobertas miraculosamente em 1.209 e são veneradas até hoje em Veroli (Itália). Morreu na Palestina.

 

Fonte: http://www.catolicanet.com

Missão Palmares

Querido irmão

A segunda Missão em Palmares foi realizada no dia 25/09. Dessa vez foram distribuídos 120 kits de higiene pessoal, 105 kits de alimentação, 48 kits infantis, 28 kits geriátricos e 40 kits de cama e banho.

Mais uma vez, queremos agradecer pelas doações recebidas! Você pode ver as fotos da missão aqui no blog: http://filhosdamisericordia.wordpress.com/fotos/missao-palmares-25-09-2010/

Continuamos com as arrecadações! Os moradores de Palmares ainda precisam de muito mais.

Deus te abençoe!

“… porque tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; era peregrino e me acolhestes; nu e me vestistes; enfermo e me visitastes; estava na prisão e viestes a mim…. Responderá o Rei: – Em verdade eu vos declaro: todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim mesmo que o fizestes.” (Mt 25, 34 -40)

Filhos da Misericórdia

Ser Católico

A missão dos leigos
Dom Sinésio Bohn
Bispo de Santa Cruz do Sul

Em outubro de 1992 aconteceu em Santo Domingo (República Dominicana) a quarta Conferência do Episcopado Latino-Americano. Uma das questões foi sobre a missão dos leigos na Igreja. Vários bispos, já a partir do protagonismo da juventude, defendemos um papel protagônico para os fiéis leigos. De outro lado, era importante que a hierarquia presidisse o povo de Deus na caridade. Concluiu-se que os leigos têm um protagonismo no âmbito que lhes é específico.

Mas o que é específico aos leigos? Segundo o Concílio Vaticano II, os leigos têm a missão específica de procurar o Reino de Deus exercendo funções temporais e ordenando este mundo segundo Deus (LG 31). Portanto, os leigos consagram a Deus o próprio mundo.

É no mundo, em meio às coisas temporais, que o povo leigo vive a santidade, pela qual o próprio Pai é perfeito.

Pelo fato de o Apóstolo Paulo ter colocado o estado de virgindade como o melhor para agradar a Deus (1 Cor 7, 25 ss) sempre de novo se confunde “estado de vida”, com vivência pessoal do Evangelho. Mais santo é quem, no caminho de sua própria vocação, vive o amor e abraça a vontade de Deus. Por exemplo, os pais na família, ao se doarem um ao outro e juntos educarem com amor seus filhos. É uma vida de santidade, agradável a Deus.

Como batizados e confirmados, todos os fiéis são chamados a evangelizar pelo testemunho, pela palavra e pela participação nos vários serviços e ministérios da Igreja. Aqui vai uma referência especial às centenas de milhares (quase um milhão) de catequistas; à multidão de mulheres e homens que presidem a celebração dominical das comunidades; que distribuem a santa Comunhão ao povo; administram o Batismo e sepultam os mortos com a oração da Igreja.

Os antigos ficariam admirados se vissem o austero Direito Canônico aceitar que mulheres e homens com boa formação pudessem lecionar Teologia e mesmo participar no governo da Igreja. No Brasil é pacífica a participação dos leigos nos conselhos pastorais, nos conselhos de assuntos econômicos e mesmo na administração paroquial e diocesana. Até nos tribunais eclesiásticos eles, inclusive mulheres, são chamados a participar sempre mais como notário, chanceler e juiz auditor (Can 129).

Bem diz o Catecismo da Igreja Católica (nº 900) que “nas comunidades eclesiais, a ação dos leigos é tão necessária que, sem ela, o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno êxito”.

Contudo, é na política, na economia, nas relações internacionais, na busca da justiça, que os fiéis leigos encontram seu campo específico. No dizer de Pio XII, para “tornar este mundo de selvagem em humano e de humano em divino”.

Fonte: CNBB

Dia Nacional da Juventude na Paróquia de Casa Forte

A Paróquia de Casa Forte vai comemorar no próximo domingo, 24 de outubro, o Dia Nacional da Juventude (DNJ). A programação será aberta às 17h, na Igreja Matriz de Casa Forte, com a Celebração Eucarística, que será presidida pelo coordenador do Setor Juventude da Arquidiocese de Olinda e Recife, padre Gimesson Eduardo. Na sequência, todos são convidados para o show do Ministério de Música Sacrum Cor, que será realizado na quadra do Salão Paroquial.
O DNJ vai marcar a estreia da Lojinha do Cristo Forte. Antes, durante e após o show, haverá venda de artigos religiosos e lanches. Os jovens de outras paróquias também são convidados a participar desta grande celebração da juventude católica.

 

A Igreja Matriz de Casa Forte fica na Praça de Casa Forte, conhecida pela Festa da Vitória Régia, localizada na Av. 17 de Agosto.

Formação

A Consagração à Nossa Senhora

Entre os imensos frutos de revigoração do fervor que a Efusão do Espírito Santo tem gerado entre nós, temos observado um que é especialíssimo por se referir à devoção a Nossa Senhora: o mesmo Espírito Santo que gerou Jesus no seio de Maria, tem inspirado cada vez mais os batizados a assumir a filiação a esta Mãe Santíssima, que nos foi entregue por seu Filho ao pé da cruz. Nós a assumimos como Mãe e temos renascido espiritualmente dela.

Um grande sinal desta entrega é o aumento significativo da prática tão antiga e nova da consagração total a Jesus Cristo pelas mãos de Maria, ensinada por São Luís Maria Grignion de Monfort. O que posso testemunhar acerca desta consagração, é que tem sido grande fonte de libertação interior e de conversão da minha vida a Jesus Cristo.

Parece algo contraditório, mas o que se comprova na prática é que este ato de consagração, através do qual clamamos a Maria que nos apresente a Jesus na qualidade de escravos, entregando à sua administração todos os possíveis méritos de nossos atos e orações, traz imensos frutos de libertação para nossa vida. Como pode isto acontecer?

A graça

Sabemos que a graça é uma ação misteriosa de Deus em nossa vida e, portanto, ultrapassa o raciocínio humano, de modo que seria inútil tentar explicar inteiramente aqui este ato de fé, que é mistério para ser aceito e vivido. Mas em respeito à nossa humanidade, Deus, cheio de misericórdia – através das Escrituras e do ensinamento da Igreja – se curva sobre nós para tentar nos “explicar” o inexplicável.

Enquanto a imensa graça deste ato de consagração tem arrebatado imediatamente a uns, que fazem-na sem nada perguntar, outros querem ardentemente fazê-lo, mas surgem no seu coração certos temores, especialmente no que se refere ao seu papel intercessor: “Se fizer este ato de consagração, não poderei mais interceder especificamente por aqueles que me pedem orações? Não poderei oferecer por eles atos de sacrifício? Estarei me tornando escravo de Nossa Senhora ou de seu Filho Jesus? Entregarei meus méritos a Nossa Senhora ou a Jesus?”

Para que não existam mais esses temores, penso que seria importante recordar uma Palavra da Carta de São Paulo aos Coríntios acerca da criatura humana que precisamos encarar e aceitar: “Que tens que não hajas recebido?” (1Cor 4,7b).

Na realidade, tudo o que possamos ser, ter ou fazer é puro dom de Deus para nós. Consagrar os frutos de nossos méritos a Jesus é entrar na verdade da nossa relação com Ele: Deus é nosso Pai e nada temos, somos ou podemos fazer sem que Ele nos conceda. Portanto, nossos pretensos méritos são como “moedinhas” que Ele mesmo coloca em nossos “bolsos” para comprarmos um presente para Ele.

Comunhão dos Santos

Outro importante instrumento de compreensão do ato de consagração a Jesus por Maria é a meditação no mistério da Comunhão dos Santos: uma vez que todos os batizados formam um só “corpo” espiritual, cuja “cabeça” é Cristo, o bem de Cristo é comunicado a nós, e todo bem que recebemos dele é comunicado entre nós como a seiva é comunicada a todos os ramos de uma árvore. Como então pretendermos dominar este processo “determinando” a Deus o bem que Ele deve fazer a esta ou àquela pessoa através de nós?

É claro que devolver a Deus este direito que já é dele não significa sermos impedidos de interceder por aqueles que nos pedem orações. Mas significa deixar que Deus tome inteiramente em suas mãos os resultados de nossos atos e orações, e o faça pelas mãos daquela que foi escolhida para que Jesus, fonte de toda graça, viesse habitar em nós e nos dar tudo o que somos, temos ou fazemos. Maria é a porta por onde recebemos Jesus e toda graça; é também a porta por onde devolvemos a Jesus o direito sobre tudo o que temos, somos e fazemos.

Consagrar-nos a Jesus pelas mãos de Maria não é um favor que fazemos a Jesus, nem um sacrifício, mas uma grande bênção, um imenso dom, uma profunda alegria, e a restauração da consciência de uma verdade fundamental da nossa vida: somos dele, somos portanto de sua e nossa Mãe, Maria!

Na vida

Gostaria também de partilhar aqui um outro aspecto do ato de consagração a Jesus pelas mãos de Maria que toca profundamente o meu coração: o aspecto vivencial. Como São Luís de Monfort mesmo diz no seu “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, a entrega total a Maria é uma perfeita renovação das promessas do nosso Batismo. Pelo Batismo, renunciamos a Satanás e a compactuar com suas obras, renunciamos ao pecado e a fazer prevalecer a nós mesmos. Na entrega total a Maria, renovamos esta renúncia e ainda damos expressamente a Nosso Senhor, pelas mãos dela, o valor que Deus quiser dar às nossas ações e orações. Jesus se deu inteiramente a nós e o quis fazê-lo pelas mãos de Nossa Senhora, e agora nos devolvemos inteiramente a Ele também do mesmo modo: pelas mãos de Nossa Senhora.

Maria é a porta do céu, a porta das graças que circulam no corpo da Igreja. No entanto, durante a vida, Maria permaneceu muito oculta. A sua humildade foi tão profunda, que não teve na terra atrativo mais poderoso nem mais contínuo que o do escondimento para que só Deus a conhecesse. São Luís Maria de Monfort diz que o próprio Filho quis escondê-la durante sua vida, e em certa ocasião chegou a tratá-la como uma estranha para favorecer sua humildade, embora no seu coração a amasse mais do que a todos os anjos e a todos os homens.

Portanto, a nossa entrega a Maria precisa se efetivar na nossa vida através de atos concretos de humildade e aceitação de toda humilhação. Depois de nos consagrar a Jesus por intermédio dela, torna-se um absurdo ainda querermos fazer prevalecer nossa pessoa, nossas idéias, nossa vontade em qualquer situação da nossa vida diária. Daí o perigo de nos tornarmos pessoas consagradas a Nossa Senhora, muitas vezes ostentando um belo anel no dedo, sem nos lembrar que escolhemos livremente estar no lugar onde ela esteve com seu Filho Jesus enquanto viveram nesta terra: eles escolheram o último lugar, o lugar de servos, renunciando a todo direito de ditar normas ou prevalecer sua vontade diante de Deus.

Se estamos dispostos a abraçar esta grande graça de estar no lugar escolhido por Jesus e Maria nesta terra, vale a pena nos consagrar a Nossa Senhora. Mas se ainda desejamos conservar algum direito para nós nesta vida, nos preparemos melhor para viver esta devoção, porque ela envolverá desde as pequenas às grandes situações que encontraremos.

Esta escolha do último lugar, decorrente da consagração a Jesus por intermédio de Maria, vai muito além de um lugar físico ou de uma função no serviço da Igreja, que aos olhos de alguns pode parecer significar grandeza ou pequenez. Trata-se do espírito de pequenez, que o Espírito da verdade nos ensina a viver, conforme Cristo mesmo esclareceu no seu diálogo com a mãe dos filhos de Zebedeu (cf. Mt 20,20-28). Aquela mãe, na sua ingenuidade, pediu que Jesus colocasse seus filhos um à direita e o outro à esquerda dele no Reino de Deus, e Ele, após lhes perguntar se estariam dispostos a beber da “taça” da entrega total de sua vida, declarou que somente ao Pai caberia concedê-lo. E aproveitou a ocasião para ensinar aos seus discípulos: “Como sabeis, os chefes das nações as mantêm sob seu poder, e os grandes, sob seus domínios. Não deve ser assim entre vós. Pelo contrário, se alguém quer ser grande entre vós, seja vosso servo, e se alguém quer ser o primeiro entre vós, seja o vosso escravo. Assim é que o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate pela multidão” (cf. Mt 20,25-28).

Através daquela por quem veio a nós o Servo dos servos e foi a primeira a servir a Deus sem reserva, com a entrega total de sua vida, podemos nos consagrar, segundo a devoção ensinada por São Luís de Montfort, sabendo estar renunciando a todo pretenso direito, não só na outra vida, mas desde já, em cada situação do nosso dia-a-dia.

Sabendo disto, como pode alguém que se consagrou a Jesus pelas mãos de Maria ainda exigir direitos, consolos, regalias, reparação de ofensas recebidas, considerações, atos de gratidão ou prevalência da sua opinião diante de alguém? Tudo isto, até somos capazes de sentir, porque somos humanos e tais desejos se levantam dentro de nós. Mas um consagrado a Jesus por Maria rejeita tais pensamentos e até os confessa se neles consentiu ou agiu.

Queridos consagrados a Jesus por Maria, submetamos a cada dia todos os nossos desejos aos de Jesus e Maria, de modo que se os nossos não forem conforme os deles, possamos deixar que sejam aniquilados, e com eles todo egoísmo que nos separa de Deus, para chegarmos à união completa com Ele. E que o Senhor conceda mais e mais aos corações dos batizados o desejo de consagrar-se assim para sempre, pelas mãos de nossa querida Mãe!

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 34 outros seguidores